terça-feira, 26 de julho de 2011

Aristóteles

Aristóteles

Biografia de Aristóteles

Filósofo grego Aristóteles nasceu em 384 a.C., na cidade antiga de Estagira, e morreu em 322 a.C. Aristóteles foi viver em Atenas aos 17 anos, onde conheceu Platão, tornando seu discípulo. Foi mestre de Alexandre Magno, o Grande, da Macedônia. Seus pensamentos filosóficos e idéias sobre a humanidade têm influências significativas na educação e no pensamento ocidental contemporâneo. Aristóteles é considerado o criador do pensamento lógico. Suas obras influenciaram também na teologia medieval da cristandade.

Sua escola e as Obras:

Aristóteles criou a Escola Liceu, também Peripatética, ou Peripatos. O ensino do Liceu se estendia para o estudo da Biologia e Ciências Naturais.
Aristóteles escreveu várias obras, sendo: 120 obras, onde sobreviveram 40, destacando 07 – Metafísica, Ética a Nicômaco, Órganon, Física, Poética, Retórica e Política.

A criação da lógica:

O primeiro grande mérito que singulariza Aristóteles é que, quase sem precursores, quase completamente por sua aturada reflexão criou uma ciência nova – a lógica, que significa, simplesmente, a arte e o método de pensar com acerto; sendo o método de todas as ciências, disciplinas e artes.
O pequeno tratado de Aristóteles sobre Definições mostra quanto sua lógica se abeberou nesta fonte. “Se quiserdes discutir comigo – disse Voltaire – defini primeiro vossos termos. Para definir um objeto ou um termo ele considera duas questões, dá-se o exemplo do homem: 1º - incluir o objeto em questão em uma classe ou grupo com características semelhantes, o homem é, antes de tudo, um animal;  2º - indica qual a diferença do objeto dos outros membros, o homem é um animal racional;

A organização da Ciência:
Aristóteles naturalista: A astronomia de Aristóteles apresenta pouco progresso em relação a seus antecessores. Ele repele a opinião de Pitágoras, de ser o sol o centro de nosso sistema, prefere dar honra à terra. A Criação da Biologia: Aristóteles torna-se convicto de que a infinita variedade de seres vivos pode ser alinhada em uma série contínua da qual cada elo seria quase indiferençável dos contíguos.

A Metafísica e a natureza de Deus:

O objeto de investigação da Metafísica não é qualquer ser, mas do ser enquanto ser. Examina o que pode ser afirmado sobre qualquer coisa que existe por causa de sua existência e não por causa de alguma qualidade especial que se tenha. Também aborda os diferentes tipos de causas, forma e matéria, a existência dos objetos matemáticos e Deus.
Aristóteles definiu as quatros causas, explicada aqui em termos gerais: Causa formal – é a forma ou essência das coisas (objeto se define pela sua forma); Causa material – é a matéria de que é feita uma coisa (a matéria na qual consiste o objeto); Causa eficiente – é a origem das coisas ( aquilo ou aquele que tornou possível o objeto); Causa final – é a razão de algo existir (a finalidade do objeto)

A psicologia e a natureza da arte:

Objeto geral da psicologia aristotélica é o mundo animado, isto é, vivente, que tem por principio a alma e se distingue essencialmente do mundo inorgânico, pois, o ser vivo diversamente do ser inorgânico possui internamente o principio da sua atividade, que é precisamente a alma, forma do corpo.

A ética e a natureza da felicidade:

Aristóteles dizia acima das questões do mundo devíamos questionar as coisas. O bem supremo do ser humano é a felicidade e que dentre todas as virtudes que o ser humano buscava em si, era para alcançar a felicidade, e quando o ser humano está em conflito consigo, como na pobreza, o ser humano começa a fazer maldade pelo fato dele não atingir a felicidade. Ele idealizava um homem perfeito ao ponto de vista.

A Política:

A política aristotélica é essencialmente unida à moral, porque o fim último do estado é a virtude, isto é, a formação moral dos cidadãos e o conjunto dos meios necessários para isso. O objetivo da política é, primeiro, descobrir a maneira de viver que leva à felicidade humana, isto é, sua situação material, e, depois, a forma de governo e as instituições sociais capazes de a assegurarem.  O regime político ideal seria a TIMOCRACIA (timé = honra), também chamado de POLITIA, onde o poder seria exercido pelos cidadãos proprietários de algum patrimônio e governariam para o bem comum.
Aristóteles considerava a família o núcleo inicial da organização das cidades e a primeira instância da educação das crianças. O Estado deveria também ser o único responsável pelo ensino.

FRASES: 

O sábio nunca diz tudo o que pensa, mas pensa sempre tudo o que diz;
O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete;
O verdadeiro discípulo é aquele que supera o mestre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário